Consultas e vacinas

Consultas no 1º ano de vida • Teste de diagnóstico precoce (teste do pezinho)Vacinas do PNV • Vacinas opcionais/extra PNV • Vacinas para grupos de risco • Vacinas – contraindicações • Vacinas – reações

Consultas no 1º ano de vida

  • É necessário inscrever o bebé na Unidade de Saúde. Contacte previamente o seu Centro de Saúde para saber qual a melhor forma de o fazer;
  • Agende a 1ª Consulta do bebé (1ª semana de vida – pode ser no dia do Teste do Pezinho) e a consulta de revisão de puerpério;
  • Na 1ª visita ao Centro de Saúde leve o registo de nascimento do bebé (cédula), cartão de cidadão/bilhete de identidade dos pais, o Boletim de Saúde Infantil e Juvenil (BSIJ) e o Boletim de Vacinas;
  • Durante o primeiro ano de vida o seu bebé deverá ter Consultas de Saúde Infantil aos 1, 2, 4, 6, 9 e 12 meses;
  • Antes das consultas leia as informações do BSIJ e faça uma lista com as suas dúvidas, para as esclarecer junto dos profissionais de saúde.

Teste de diagnóstico precoce (teste do pezinho)

  • É um exame laboratorial que tem como objetivo despistar doenças congénitas graves (25 doenças), antes de estas darem sinais;
  • Deve ser realizado entre o 3º e o 6º dia de vida. A colheita de sangue é feita através de picada no calcanhar do bebé;
  • Em alguns Centros de Saúde é aconselhável marcar o Teste do Pezinho por via telefónica ou este poderá ser feito na 1ª visita domiciliária (verifique se a sua Unidade faz visita domiciliária). Em caso de internamento prolongado, este será realizado a nível hospitalar;
  • Caso esteja alterado, os pais serão contactados pelo Instituto Nacional Ricardo Jorge. Porém, devem sempre consultar o resultado no site oficial desta instituição, através da introdução de um código que é dado quando se realiza o teste (ver imagem) em www.diagnosticoprecoce.pt. Desta forma tem a certeza que a amostra foi recebida (o resultado deve estar visível entre a 1ª e 2ª semana).

Vacinas do Programa Nacional de Vacinação (PNV)

  • Protegem as crianças vacinadas contra várias doenças graves (ou diminuem a sua severidade);
  • Além da proteção individual, a maioria das vacinas tem a capacidade de interromper a circulação dos microrganismos originando “imunidade de grupo”. Mas isto só se consegue se a maioria das crianças for vacinada!
  • Em Portugal existe um Programa Nacional de Vacinação (PNV) gratuito para todos os residentes. O PNV é revisto periodicamente e a última atualização é de julho de 2017;
  • As vacinas que integram o PNV foram aprovadas tendo em atenção a sua qualidade, eficácia e segurança.

Hepatite B

Infeções por Haemophilus influenzae b

Difteria, tetano, tosse convulsa*

Poliomielite

Infeções por Streptococcus pneumoniae

Infeções por Neisseria meningitidis C

Sarampo, Parotidite epidémica, Rubéola

Infeções por vírus do Papiloma humano**

Nasc. VHB 1
2 meses VHB 2 Hib 1 DTPa 1 VIP 1 Pn13 1
4 meses Hib 2 DTPa 2 VIP 2 Pn13 2
6 meses VHB 3 Hib 3 DTPa 3 VIP 3
12 meses Pn13 3 MenC VASPR 1
18 meses Hib 4 DTPa 4 VIP 4
5 anos DTPa 5 VIP 5 VASPR 2
10 anos Td 1 HPV 1,2
25 anos Td 2
45 anos Td 3
65 anos Td 4
10/10 anos Td 5

Programa Nacional de Vacinação – atualizado em 2017
* As grávidas serão vacinadas contra a tosse convulsa, o tétano e a difteria (Tdpa) em cada gravidez
** Aplicável apenas a raparigas, com o esquema 0, 6 meses

Vacinas opcionais/extra PNV

Além das vacinas do PNV existem outras vacinas recomendadas pela Comissão de Vacinas da Sociedade de Infeciologia Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Pediatria, como vacinação universal ou em determinadas circunstâncias. O custo destas vacinas é suportado pelos pais. Informe-se com o seu Enfermeiro ou Médico de Família.

Estas vacinas devem ser acompanhadas pela receita, esquema de administração e transportadas em contentores térmicos até às Unidades de Saúde.

Vacina contra Meningite B

  • (Bexsero®) Pode ser dada a partir das 8 semanas. O número de doses varia com a idade de início. Recomendada a todas as crianças.
  • (Trumenba®) Pode ser dada a partir dos 10 anos de idade. São recomendadas 2 doses com intervalos de 6 meses para crianças saudáveis e 3 doses para crianças com risco de doença invasiva meningocócica (conforme indicação médica).

Vacina contra Rotavírus (RotaTeq® e Rotarix®)

  • As 2 ou 3 doses desta vacina (conforme a marca escolhida) têm de ser dadas entre o 1,5 e os 6 meses. Recomendada a todas as crianças saudáveis (sem doenças gastrointestinais crónicas).

Vacina contra o Papiloma do Vírus Humano (Gardasil®)

  • Confere proteção individual e dos parceiros sexuais. Para adolescentes do sexo masculino (para o sexo feminino faz parte do PNV).

Vacina contra a Gripe

  • Pode ser dada a partir dos 6 meses de idade, conforme indicação médica (p.ex. asmáticos).

Vacina contra Varicela (Varilrix® e Varivax®)

  • Pode ser dada para proteção individual em maiores de 1 ano. Recomendada a adolescentes sem história prévia de varicela (e com serologia negativa) e a crianças que contactem com doentes imunodeprimidos. São administradas 2 doses com intervalo de 12 meses.

Vacina contra a Hepatite A (VATQA® e Havrix®)

  • Pode ser dada para proteção individual em maiores de 1 ano. Recomendada a: comunidades com surto, viajantes para países com endemicidade intermédia a alta a hepatite A, crianças com doença hepática crónica, hemofílicos ou que recebam transfusões, candidatos a transplante de órgão ou crianças com VIH. Não é necessária serologia prévia.

Vacina contra a Tosse Convulsa, Difteria e Tétano (Boostrix®)

  • Para adolescentes. Pode substituir a vacina do tétano e difteria do PNV se optarem por proteção adicional contra a Tosse Convulsa.

Vacinas para grupos de risco

Algumas vacinas devem ser administradas gratuitamente, sob prescrição médica, a grupos de risco.

Vacina contra Formas de Tuberculose Grave (BCG®)

  • Pode ser administrada desde o nascimento e peso > 2000g, até aos 6 anos de idade. É dada por indicação médica aos grupos de risco estipulados na Norma da Direção Geral de Saúde (DGS) 006/2016 de 29/06/2016.

Vacina contra a Meningite B (Bexsero®)

  • Administrada aos grupos de risco estipulados na Norma da DGS nº 007/2016 de 09/08/2016.

Vacina contra a Gripe

  • Dada aos grupos de risco estipulados em Norma da DGS, publicada em setembro de cada ano.

Vacina antipneumocócica 23 valente (Pneumo23®)

  • Dada com receita médica, aos grupos de risco, estipulados na Norma DGS 012/2015 de 06/11/2015.

Vacina contra Meningite A,C,W e Y (Nimenrix® e Menveo®)

  • Dada, com receita médica, aos grupos de risco estipulados no documento “Recomendações sobre Vacinas Extra PNV – Atualização 2018” da Comissão de Vacinas da Sociedade de Infeciologia Pediátrica e da Sociedade Portuguesa de Pediatria.

Vacinas – contraindicações

FALSAS VERDADEIRAS
Reações locais, ligeiras a moderadas a uma dose anterior da vacina São raras
Doença ligeira aguda, com ou sem febre (exemplo: infeção das vias respiratórias superiores, diarreia) Podem ser permanentes ou transitórias
Terapêutica antibiótica concomitante (exceto BCG se a realizar tratamento para tuberculose) Podem ser contraindicações para várias vacinas ou apenas para uma determinada vacina
Imunoterapia concomitante com extratos de alérgenos
História familiar de alergias (exemplo: ovos, penicilina, asma, febre dos fenos, rinite ou outras manifestações atópicas)
Dermatoses, eczemas ou infeções cutâneas localizadas
Doença crónica cardíaca, pulmonar, renal ou hepática
Doenças neurológicas não evolutivas, como a paralisia cerebral
Síndrome de Down ou outras patologias cromossómicas
Doença autoimune
Prematuridade
História anterior da doença (para a qual vai ser vacinado)
Exposição recente a uma doença infeciosa
Convalescença de doença aguda
História familiar de reações adversas graves à mesma vacina ou a outras vacinas
História familiar de síndrome da morte súbita do lactente
História familiar de convulsões

Vacinas – reações

no local

Vermelhidão, dor, edema. Aparecem algumas horas após a injeção e geralmente desaparecem ao fim de 1 a 2 dias.

generalizadas

Febre, mal-estar, cansaço, irritabilidade, alterações do sono, dores musculares, dor de cabeça, tonturas, náuseas, diarreia e perda do apetite. Podem aparecer entre 7 a 21 dias após a vacinação. São sintomas inespecíficos, que podem aparecer noutras situações, como nas infeções virais.

Se tiver dúvidas ou preocupações deve contactar os profissionais da sua Unidade de Saúde!


Sónia Almeida, Catarina S. Oliveira, Wilma Lopes, Raquel Zenha, Sofia Figueiredo